#13 | É ESCURO AQUI DENTRO

by - agosto 13, 2017


Ansiedade. Fiquei pensando hoje sobre o quanto essa palavra é presente na minha vida. Não sei se posso me considerar uma pessoa ansiosa, mas sei que a ansiedade faz parte da minha vida. Pesquisando o sentido da palavra encontrei:

substantivo feminino
  1. 1.
    grande mal-estar físico e psíquico; aflição, agonia.

Estudando mais um pouco eu entendi que a ansiedade está atrelada a uma preocupação excessiva, especialmente em relação ao futuro, com a procrastinação do trabalho, tarefes e obrigações. Sei que agora as pessoas estão dando mais atenção para a ansiedade. Se você prestar atenção volta e meia alguém está compartilhando algo sobre esse tema no facebook. 

Desde criança a ansiedade me persegue e está presente a tal ponto que as vezes não consigo fazer nada. Lembro que quando a minha mãe marcava de nos levar para o Caldas (um clube próximo a minha cidade) aos domingos eu ficava tão inquieta que não conseguia dormir a noite. Eu ficava elétrica e queria muito que a hora passasse rápido. 

Ainda hoje eu fico tão ansiosa para os seminários da faculdade que tenho vontade de chorar, um estresse e medo me consomem e às vezes - ou quase sempre - eu não consigo lembrar do que eu estudei por conta do meu nervosismo e dos vários pensamentos acelerados ao mesmo tempo. Quanto as provas é a mesma coisa, tenho que comer algo doce antes de qualquer prova.

Pensar no futuro não é diferente, eu nunca sei o que vou fazer e o que eu quero. Eu estou com medo desse semestre, daqui a alguns dias estarei frente a frente com os pacientes (curso fisioterapia) e isso tem sido assustador apesar de tentar me manter calma. Eu tenho pensado nisso todos os dias desde que comecei o 6º semestre. A verdade é que eu sinto que não sei de nada e que vou ser um desastre com os pacientes da Clinica Escola. Exagero? talvez. Mas o medo, o medo é presente. 



O medo de não saber se estou no lugar certo ou se estou apenas seguindo qualquer caminho me atormenta. Até escrever tem sido difícil, porque as palavras não querem se organizar na minha cabeça. E como diz Caio Fernando Abreu: tem dias que dá vontade de abrir um zíper nas nossas costas, porque dentro da gente não é um bom lugar para se estar. 

Tenho vontade de desistir e fugir porque parece ser mais fácil. 

POSTAGENS RELACIONADAS

4 comentários

  1. Teu texto é um ótimo resumo de mim mesma. Sofro com ansiedade desde criança também, é muito complicado. Assim como você eu fico sem dormir a noite porque a ansiedade é tanta que chega a me assustar. Já chorei, passei mal e desisti de apresentae muitos seminários por conta da ansiedade... Ah, e relaxa, tu vai se sair muito bem 💙

    Ps: estou sumida porque meu PC queimou e não estou dando conta de fazer as coisas pelo celular.

    Saudades de te ler!
    Beijos!
    www.memorizeis.tk

    ResponderExcluir
  2. entendo muito sobre tudo que disse. eu também fui uma criança ansiosa, muito ansiosa, e até pouco tempo atrás eu achava que isso era uma 'característica minha' e não um problema, sabe? pq antes ninguém falava sobre ansiedade dessa forma, como um problema (que é o que ela pode se tornar). e sim como algo que você é, como se fosse algo natural (sendo que em alguns casos, não é bem assim). se sentir ansiosa o tempo todo, até para coisas irrelevantes, faz a gente sentir uma angústia absurda. tem dias que eu consigo controlar melhor isso, em outros que tenho crises, e assim vou levando.

    ResponderExcluir
  3. Eu consigo te entender tanto, Paloma! Acredito que o único bom conselho que a gente pode ouvir nessas horas é o lembrete de que a gente precisa respirar. Nessas horas a gente nem lembra se tá fazendo isso direito, mas assim como o ar flui de dentro pra fora e vai embora, assim serão as coisas ruins que fazem isso com a gente.

    Nunca é fácil, mas, respira. ^^

    ResponderExcluir
  4. Cara, eu te entendo, de verdade.
    Apesar de ser bom esse lance de se falar muito sobre ansiedade eu acho ruim, pq muitas pessoas se dizem ansiosas sem nem saber o que isso significa, mesma coisa aconteceu alguns anos atrás com bipolaridade, eu sofro de transtorno de bipolaridade e ansiedade, sou muito nervosa e já tive uma pequena depressão, acho triste as pessoas banalizando esse assunto como se todo mundo entendesse o que eu sinto quando na verdade, sempre que eu vou desabafar me chamam de fresca, mimada, louca... Ninguém se importa, na verdade.

    Me identifiquei muito com seu texto, espero que um dia isso passe e que sejamos "normais" pq eu odeio sentir isso

    Beijos da Carol do blog Pink is not Rose 🖤

    ResponderExcluir